O Claude Debussy Instituto de Música e Dança tem uma história cheia de sucesso, construída por personagens que passaram por aqui e saíram para encantar o Brasil e o mundo com sua arte. Muitos de nossos alunos e professores alcançaram posições de destaque em espetáculos de teatro-musical, companhias de dança e no círculo artístico em geral no mundo afora. Aqui você pode saber um pouco mais sobre alguns desses alunos e professores.

Priscilla Fiuza

Priscilla Fiuza Lima iniciou seus estudos de ballet em 1988, no Claude Debussy Instituto de Música e Dança, na cidade de Brasília. Foi aluna de Kátia Nadiejda, Denise Oliveira, Eurípedes Neto e Heloísa Almeida. De 1998 a 2000 passou a fazer aulas, também, com Gisele Santoro.

Participou de várias edições do Seminário Internacional de Dança de Brasília, sendo que no ano de 2000 ganhou o 3º lugar no concurso do Seminário, no qual foi premiada com uma bolsa para a Escola de Ballet da Ópera de Viena. Nesse mesmo ano, participou da Companhia Dance Brasil interpretando o clássico quarteto dos pequenos cisnes em “O Lago dos Cisnes” e “Canções de Amor” de Gisele Santoro, com música de Claudio Santoro. Em 2001, voltou a participar de nova edição do Seminário, ganhando novamente o 3º lugar e participou, mais uma vez, da Companhia Dance Brasil, na qual teve a oportunidade de dancar o segundo ato do ballet La Bayedere.

Em Viena, de 2001 a meados de 2003, estudou sob a direção de Michael Birkmeyer e Renato Zanella. Ainda no ano de 2003 entrou para a Companhia Ballet Schindowski do MIR – Musiktheater im Revier, em Gelsenkirchen, Alemanha. Na temporada de 2004/2005 foi promovida a Solista e na temporada seguinte, 2005/2006, foi eleita pelo crítico Nicole Strecker, a 2ª melhor bailarina jovem da Região NRW, na Alemanha.

Heloísa Almeida

Iniciou seus estudos de ballet aos sete anos, com formação acadêmica pela “Royal Academy of Dancing of London” em Brasília. Em 1982 pertenceu ao Corpo de Baile do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. No ano seguinte, passou a integrar o Corpo de Baile do Teatro Guaíra em Curitiba até 1993, onde foi bailarina solista, dançando alguns dos principais papéis do repertório dessa companhia, trabalhando com coreógrafos de renome internacional, como Tatiana Leskova, Rodrigo Pederneiras, Luís Arrieta, Milko Sparemblek, Vasco Wellemkamp, Olga Roriz, entre outros.

Em 1995 foi professora assistente do curso de formação acelerada para rapazes, Ballet Teatro Guaira. Em Brasília foi professora de técnica clássica do curso seqüencial da Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, lecionou em várias escolas e trabalhou com grupos e companhias da cidade. Passou pela Claude Debussy entre 1997 e 2003, deixando sua marca, como diretora Cênica de diversos ballets e musicais como: O Fantasma da Ópera, A Noviça Rebelde, Quebra-Nozes, A Bela Adormecida, Coppélia, O Lago dos Cisnes e Dom Quixote. Formou-se em fisioterapia no ano de 2003, procurando em todos os seus trabalhos acadêmicos unir seu conhecimento científico à dança.

Atualmente, é mâitre e ensaiadora da DeAnima Ballet Contemporâneo no Rio de Janeiro. Ainda coordena e dá aulas para adultos iniciantes e profissionais no Espaço Feodorova. Aplica em suas aulas noções de Anatomia, Fisiologia, Cinesiologia e Biomecânica, as quais unidas à sua experiência profissional visa aproveitar melhor o corpo do bailarino.

Alexi Lima

Alexi Lima nasceu no Brasil em 1961. Começou seus estudos de piano aos seis anos de idade sob a supervisão de sua mãe Iolanda Fiuza Lima, fundadora e diretora do Centro de Artes Claude Debussy. Com a idade de treze anos, Alexi Lima ingressou no programa de música da Escola de Música de Brasília, até o período de sua graduação em 1980, quando completou os cursos teóricos e de instrumentação nas áreas de piano e violoncello. Durante o mesmo período, Alexi Lima participou anualmente de sete Cursos Internacionais de Verão realizados na Escola de Música de Brasília.

Em 1982, Alexi Lima mudou-se para Indiana, nos Estados Unidos, onde estudou técnica pianística com o Dr. Robert Carrol Smith e Teoria e Análise com o Dr. John Ibberson. Entre os professores durante a sua formação musical incluem-se prévios alunos de figuras tais como Nadia Boulanger e Karlheinz Stockhausen, entre outros.
Alexi Lima reside em Boston nos Estados Unidos desde 1987, onde vem trabalhando como professor de piano na área infantil e organizando recitais anuais na Berklee College of Music.

Entre suas obras de composição e de outros compositores gravadas em CDs, incluem-se:  The Noise of Time, Etudes Tristano, Etudes Cortot, Etudes Freire, Etudes Kissin, Etudes Michelangeli, Jarrett-Scarlatti Keyboard Sonatas and Improvisations, The Köln Concert, Live at David Friend Recital Hall, Music Spoken Here e Force of Light - Concertos for Piano and Orchestra No. 1 and No. 2.

Alexi Lima foi co-fundador do Centro de Artes Claude Debussy em 1978. Atualmente é membro do New England Piano Teachers Association, Inc., em Boston, membro do American Society of Composers, Authors and Publishers e do Recording Academy - GRAMMY Foundation nos Estados Unidos.

Conheça mais sobre Alexi Lima e seu trabalho no site: www.alexilima.net

Marconi Araújo

O Contratenor Marconi Araújo começou os seus estudos de música ainda muito cedo, aos nove anos de idade, como sopranino em igrejas. Já em sua fase adulta, depois de esperar por sua muda vocal – pois sua voz era um pouco diferente do usual – ele se tornou um pianista, deixando o canto em segundo plano. Depois disso não foi difícil se tornar um maestro, diretor musical e regisseur, usando seus conhecimentos como cantor, maestro e pianista. Como regente-coral e compositor conquistou muitos prêmios na Europa e Brasil e fez turnês com seus grupos pelas Américas e Europa. Como compositor possui várias peças para piano, piano-voz, quartetos, ensemble vocal, conjuntos orquestrais e trabalhos completos para coro e orquestra. Em 2000, o maestro Marconi Araújo foi convidado pela ASSOCIAZIONE INTERNACIONALE AMICI DELLA MUSICA SACRA para se apresentar para o Papa João Paulo II na praça São Pedro e na Ala Paulo VI no Vaticano, assim como uma turnê por Portugal e Itália, incluindo a cidade natal de Pedro Álvares Cabral, Santarém, em comemoração aos 500 anos de descobrimento do Brasil.

Após sua muda vocal começou sua carreira como tenor. Marconi cantou na estréia do Réquiem de Michael Haydn no Festival Michael Haydn em Brasília. Em 1995 ele esteve sob a batuta do Maestro Jonh Rutter performando seu “Gloria” para coro e orquestra, com o Coro Sinfônico de Brasília, no Carnegie Hall em Nova York. Sua relação com a ópera foi estreita desde o início. Ele esteve envolvido com o Teatro Nacional Cláudio Santoro tanto como tenor quanto diretor do Coro Lírico do Teatro. Como diretor do Coro Lírico o Maestro Marconi dirigiu várias óperas como: La Bohème, Lucia di Lammermoor, Madama Butterfly, The Barber of Seville, Alzira e Carmen. Marconi Araújo foi vanguarda no gênero Teatro Musical no Brasil, sendo o Musical Director e Vocal Coach da montagem brasileira de Les Misérables, um espetáculo da Cameron Mackintosh Productions. Dez, dos doze principais, eram pupilos do maestro Araújo no “Les mis”, que foi o primeiro grande musical da Broadway no Brasil e abriu portas para que o gênero entrasse definitivamente no circuito brasileiro. Marconi Araújo também dirigiu produções como: Jesus Christ Superstar (excertos), Disney Songs, Duets on Broadway, Comunittà e Garota Glamour.

Depois de fazer uma carreira como diretor no Brasil, Araújo decidiu ir aos Estados Unidos para cantar como contratenor. Já com bacharelado em regência pela Universidade de Brasília, Marconi Araújo concluiu seu mestrado em performance vocal sob a orientação da Doutora Katrina Zook na Universidade do Wyoming, EUA.

Em 2005 Marconi Araújo foi contemplado com o primeiro lugar e prêmio revelação da categoria masculina no VI Concurso Internacional de Canto Bidu Sayão, considerado atualmente o maior concurso de canto da América Latina. Em breve estada no Brasil, esteve envolvido em recitais e master classes em várias metrópoles brasileiras.

Juliana de Aquino

Juliana nasceu no dia 2 de março, em Brasília, Brasil. Já com 4 anos de idade encontrou seu verdadeiro amor: a música. Estudou piano por muitos anos, e um dia descobriu o canto. Foi como amor à primeira vista. Com 15 anos ela cantou seu primeiro solo, como Serena no musical Fame produzido pelo Centro de Artes Claude Debussy e apresentado na sala Martins Penna do Teatro Nacional, e fez, assim, de seu sonho uma profissão.

Em 2001 publicou no Brasil seu CD "Primeira vez". No mesmo ano, representou Mother Abbes na sala Villa Lobos do Teatro Nacional no musical cortina lírica "The Sound of Music", produzido pelo Centro de Artes Claude Debussy. Em agosto de 2003 foi para Hamburgo. Lá teve a chance de trabalhar com muitas pessoas talentosas. Fez parte do conjunto da produção alemã “The Lion King” no teatro Hafentheater. No dia 7 de fevereiro de 2008, desempenhou o papel de Maria Madalena no espetáculo Jesus Cristo Superstar, no teatro Stadttheater, em Klagenfurth (Áustria). Posteriormente participou do musical Wicked, em Stuttgart.

Em 2001 publicou no Brasil seu CD "Primeira vez". No mesmo ano, representou Mother Abbes na sala Villa Lobos do Teatro Nacional no musical cortina lírica "The Sound of Music", produzido pelo Centro de Artes Claude Debussy. Em agosto de 2003 foi para Hamburgo. Lá teve a chance de trabalhar com muitas pessoas talentosas. Fez parte do conjunto da produção alemã “The Lion King” no teatro Hafentheater. No dia 7 de fevereiro de 2008, desempenhou o papel de Maria Madalena no espetáculo Jesus Cristo Superstar, no teatro Stadttheater, em Klagenfurth (Áustria). Posteriormente participou do musical Wicked, em Stuttgart.

Saulo Vasconcellos

Aclamado pela crítica e considerado como a maior referência do teatro musical brasileiro, Saulo começou a carreira em 1998.

Dono de uma linda voz, o ator protagonizou a ópera de Rossini, O Barbeiro de Sevilha. No ano de sua estreia, ele ainda participou das óperas La Boheme e Gianni Scchicchi, de Puccini, La Traviata e Aida, de Verdi compõem o seu forte currículo.

No ano seguinte, Saulo fez sua estreia no teatro musical depois de deixar para trás centenas de candidatos e conseguir a vaga para atuar no famoso musical da Broadway, O Fantasma da Ópera, de Andrew Lloyd Webber, que ficou em cartaz na cidade do México para 400 apresentações, onde compareceram mais de 800 mil pessoas.

Com o sucesso inevitável, o ator ganchou em mais um espetáculo, dessa vez em Les Misérables, que marcou a estreia dos musicais da Broadway na cidade de São Paulo. Em 2003 foi chamado para viver o personagem principal da hsitória infantil A Bela e a Fera. No ano seguinte volta a cidade do México para atuar em O Fantasma da Ópera, o que lhe rendeu várias indicações a prêmios com destaque.

No ano de 2007 resolve se dedicar a projetos socias, em que protagonizou a peça As Travessuras do Barbeiro. No mesmo ano entra para o elenco do espetáculo Aida, de Elton John e Tim Rice.

Em 2009 faz sua estreia nas telinhas como convidado especial do seriado A Lei e o Crime, pela TV Record. De janeiro a outubro, Saulo ficou em cartaz com o musical A Noviça Rebelde de Charles Moeller e Claudio Botelho, no papel de Capitão Georg Von Trapp.

A convite da T4F, Saulo está de volta aos palcos brasileiros para encerrar a temporada do espetáculo A Bela e a Fera, no Teatro Abril em São Paulo.

Luisa Francesconi

A mezzo-soprano Luisa Francesconi estudou com a renomada professora Rita Patané, em Milão. Iniciou sua carreira nas produções de Madame Butterfly (Kate Pinkerton) e La Traviata (Flora), na temporada do Teatro Nacional de Brasília. Também interpretou Zuma na première brasileira da ópera Alzira, de Verdi e Mercedes, em Carmen. Maddalena, em Rigoletto, foi sua estréia no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Foi Suzuki na produção de Carla Camurati de Madama Butterfly, e Zerlina em Don Giovanni no Teatro Nacional de Brasília. Seu début em papéis en travesti se deu com Orfeo, em Orfeo ed Eurídice.

Em 2004 cantou a Segunda Dama, em A Flauta Mágica, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Também realizou uma turnê italiana com a Orchestra Sinfonica di San Remo, interpretando peças de Vivaldi. Gravou, pelo selo Biscoito Fino, junto à OSESP (Orquestra Sinfonica do Estado de São Paulo), a Nona Sinfonia de Beethoven, sob a regência do Maestro Roberto Minczuk. Cantou com a mesma orquestra a Paukenmesse de Haydn no encerramento do Curso de Inverno de Campos do Jordão, sob a regência do Maestro John Neschling. Em Roma, com a Orchestra del Conservatorio Santa Cecilia, realizou a primeira audição italiana do poema sinfônico Floresta do Amazonas de Villa-Lobos.

No ano de 2005 interpretou Siegrune, em As Valkirias, na produção completa do Anel dos Nibelungos realizada no Teatro Amazonas, em Manaus, e Rosina, em O Barbeiro de Sevilha, no mesmo teatro. Interpretou o Stabat Mater de Pergolesi na famosa Igreja Ara Coeli, em Roma, com a Orchestra Sinfonica di Roma, sob a regência do maestro Silvio Barbato.

Com essa mesma orquestra debutou, em janeiro de 2006, como Cherubino em Le Nozze di Figaro, no Teatro Argentina, em Roma, sob a direção do Maestro Francesco La Vecchia. Ainda em janeiro do mesmo ano cantou a Missa em Dó Menor de Mozart no Auditorium da cidade de Milão, com a Orchestra Verdi, sob a regência do Maestro Romano Gandolfi. Interpretou Idamante, em Idomeneo, e Romeu em I Capuleti ed i Montecchi, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em junho voltou à Roma para interpretar Rosina no Auditorium della Conciliazione com a Orchestra Sinfonica di Roma.

Em 2007 voltou a esse Auditorium para fazer, com sucesso, o papel título da ópera Cenerentola. Em junho debutou no papel de Isabella (L’Italiana in Algeri) no Teatro Municipal de São Paulo, com a regência do maestro Jamil Maluf , sendo muito elogiada pela crítica especializada.  Em julho gravou outro cd com a OSESP, registrando o Réquiem Ebraico de Erich Zeisl sob a regência do maestro John Neschling. Sob a regência do maestro José Maria Florêncio, no Teatro Municipal do São Paulo, cantou a Rapsódia para Contralto, de Brahms. De novo com a OSESP, na Sala São Paulo, cantou o segundo soprano na Missa em Si Menor de Bach, sob a regência do maestro alemão Claus Peter Flor,  também com elogios da crítica especializada. Nesta mesma sala de concertos fez o Réquiem de Mozart com a Orchestre La Grande Ecurie et la Chambre du Roy, sob a regência do Maestro Jean-Claude Malgoire. Em Manaus, junto à Amazonas Filarmônica, realizou o concerto “Barroco Furioso”, com árias e cantatas de Vivaldi, sob a regência do Maestro Marcelo de Jesus.

No ano de 2008, no Teatro Massimo di Palermo, interpretou Il Musico na ópera Manon Lescaut, sob a regência do Maestro Giampaolo Bisanti. Voltou a sua cidade natal, Brasília, para fazer um concerto com canções de Verdi, Bellini e Puccini no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). Em São Paulo interpretou Dido em Dido e Enéas, com regência do Maestro Tiago Pinheiro, atuando com o Teatro da Vertigem, dirigido por Antonio Araujo. O espetáculo obteve um grande sucesso, e ao final do ano foi reapresentado com grande êxito. Em outubro, Luisa Francesconi interpretou  a Segunda Ancela na ópera Medea no Teatro Reggio de Torino, com a soprano Anna Caterina Antonacci no papel título, sob a regência do Maestro Evelino Pidò. Em novembro, no Teatro Nacional de Brasília, interpretou Hänsel em Hänsel und Gretel, sob a regência do Maestro Ira Levin.

Voltou ao Teatro Massimo de Palermo em 2009 para interpretar a Madamigella Dangeville na ópera Adriana Lecouvreur, sob a regência do Maestro Donato Renzetti. Em maio, no Festival de Opera de Manaus, cantou Didon na ópera Les Troyens, de Berlioz, sob a regência do Maestro francês Laurent Campellone. Também apresentou-se na Sala São Paulo, mais uma vez junto à prestigiosa OSESP, para interpretar a Segunda Sinfonia de Mendelssohn (Lobgesang), com regência do Maestro Claus Peter Flor.

Leonardo Neiva

Leonardo Neiva vem se destacando pela qualidade impar de seu material vocal e desenvoltura cênica. Estudou com Francisco Frias e Rita Patané (Milão/Itália). Participou do Curso Internacional de Verão no Teatro Colón, trabalhando repertório lírico com Susana Cardonnet. Seguiram-se os papéis em Colombo, Fígaro (O Barbeiro de Sevilha), Don Giovanni ( Don Giovanni) Schaunard / Marcelo (La Bohème), Silvio (Pagliacci), Zurga (Os Pescadores de Pérolas), Escamillo (Carmem), Conde (Matrimônio Secreto), Doutor Malatesta (Don Pasquale) entre outros. Concertos com obras de Brahms, Gounod, Rossini, Debussy, Dvorák, Bruckner, Haendel, Carl Orf. Destacou-se nos musicais Les Misérables (Brasil-México) e South América Way. Ganhou o “Prêmio Revelação” no Concurso de Canto do Festival Carlos Gomes, em Campinas (SP). Participou da primeira montagem integral no Brasil do “Anel do Nibelungo” de Wagner nas óperas Götterdämmerung como Gunther, Das Rheingold como Donner; também em Il Barbiere di Siviglia como Figaro e Carmina Burana no IX Festival Amazonas de Ópera. Em 2006, participou do 7º Concurso Internacional de Canto Bidu Sayão, conquistando o segundo lugar masculino e o Prêmio Canção. No Brasil já atuou com várias orquestras e maestros: OSTNCS, OER, OSMSP, OSMRJ, OSMG, OSTP, AF, Luiz Fernando Malheiro, Jamil Maluf, José Maria Florêncio, Roberto Duarte, Marcelo de Jesus, Silvio Barbato entre outros. Em 2009, ganhou o XII Prêmio Carlos Gomes, como o melhor solista masculino.

André Torquato

André Torquato iniciou seu envolvimento com a música, mais especificamente com o canto, em janeiro de 2000, quando participou aos sete anos de idade, do 22º Curso Internacional de Verão da Escola de Música de Brasília – CEP/BEM. Nesse mesmo ano, foi selecionado para compor o coro infantil da montagem da ópera Camen de Bizet, encenada no Teatro Nacional de Brasília, com direção musical e artística do Maestro Sílvio Barbato (Brasil) - Regência do coro: Maestro Marconi Araújo (Brasil).

Junto à Associação de Livres Espetáculos de Brasília - ALEBRA, participou dos espetáculos Disney para Piano e Voz 2 (2005) e Disney para Piano e Voz 3 (2007) quando interpretou Quasimodo – O Corcunda de Notre Dame.Nos anos de 2006 e 2007 desenvolveu suas habilidades de interpretação na Escola de Teatro mapati, representando, em 2006, o personagem Montgomery MacNeil no musical Fame. Ao longo do mesmo ano, atuou em outras duas produções da mesma escola: Os Saltimbancos e Peter Pan. Em 2008, fez parte da Escola de Teatro Musical de Brasília, onde atuou também num dos papéis principais do musical "Fame".

No segundo semestre de 2007, começou seus estudos em ballet contemporâneo, street jazz e hip hop no Centro de Artes Claude Debussy com a renomada dançarina Fernanda Fiuza. Integrou o grupo brasiliense “Dinner Show”, formado por cantores performáticos que interpretam temas famosos de Hollywood e musicais da Broadway, dentre outros sucessos.

Em janeiro de 2009, participou do Curso de Férias TeenBroadway, com direção geral de Maiza Tempesta e direção musical de Rafael Villar. Representou, no espetáculo de encerramento do curso, os papéis de Dany, do musical Grease, e Judas, de Jesus Cristo Superstar. Competiu com mais de 3.000 candidatos para integrar o elenco do espetáculo A Noviça Rebelde, com direção de Charles Möeller e Claudio Botelho, onde interpretou a personagem Friedrich, um dos filhos do Capitão Von Trapp.

Interpretou o personagem Kiko, no seriado da TV Cultura Pela Estrada Afora e também fez participações na novela Vende-se um véu de Noiva do SBT.

Em 2010 começou seus estudos no sapateado com Flávio Salles e atualmente, integra o elenco do musical Gypsy, de Charles Möeller e Claudio Botelho, onde interpreta o personagem Tulsa. Participou de Workshops e Coachings com os cantores brasileiros Rafael Villar e Alírio Netto, com os americanos Tituss Burgess e Justin Stoney e com o Maestro Marconi Araújo, com quem vem aprimorando seus conhecimentos relacionados à técnica vocal e interpretação para Musical Theatre.

Gisele Santoro

Natural de Brasília, filha do compositor e maestro Claudio Santoro e da coreógrafa Gisèle Santoro, iniciou seus estudos de dança aos 7 anos com sua mãe na Alemanha.

Regressando em 1978 à Brasília, ingressou aos 16 anos por concurso no Corpo de Baile do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

Tendo participado de vários cursos de aperfeiçoamento no país e exterior (EUA, França, Alemanha, Itália), obteve em 1982 uma Bolsa de Estudos de 2 anos do Governo Soviético para a Escola Coreográfica Estatal de Ballet de Kiev, onde trabalhou sob a orientação pessoal de Galina Kirilova (1ª Bailarina do Kirov e aluna de Vaganova).

Finalizados seus estudos, atuou como 1ª Bailarina Convidada na montagem de Paquita por Eugenia Feodorova (Rio de Janeiro), como solista convidada da Ópera de Ulm (Alemanha), do I Balletti di Susanna Egri (Torino, Itália) e do Ballet Teatro Producciones (Asunción, Paraguai), onde inclusive representou o Brasil na I e II Galas Latino-americanas de Dança (86 e 88) e ministrou, por diversas vezes, cursos de aperfeiçoamento.

1ª Bailarina - por concurso - do Ballet de Brasília, participou de inúmeras montagens do grande repertório clássico e de obras contemporâneas de 1985 a 1987, quando recebeu uma Bolsa do CNPq para pesquisar repertório, como intérprete e ensaiadora, em importantes centros mundiais, como a Staatliche Ballettschule Berlin (sob a orientação do Prof. Martin Puttke), o Centro di Studi della Danza em Torino (com Susanna Egri) e na Akademie dês Tanzes da Staatliche Hochschule für Musik Heidelberg-Mannheim, da qual foi, posteriormente, professora contratada por 3 anos, sendo responsável pela classe de Repertório.

Solista do Nationaltheater Mannheim (Alemanha) até 1991, onde interpretou vários papéis especialmente criados para ela, foi (de 1992 a 2005) 1ª Bailarina, Maître de Ballet Assistente e Professora da Escola de Ballet do Theater Magdeburg, onde realizou, junto à Direção, um trabalho como intérprete e ensaiadora - na criação de um repertório novo - e como pedagoga - na formação de jovens bailarinos, sendo, igualmente, responsável pelos ensaios do corpo de baile infanto-juvenil nas produções deste mesmo Teatro. Em reconhecimento à sua atuação, recebeu o Prêmio de Estímulo a Jovens Artistas, criado para homenagear a mais destacada personalidade em cada área (Dança, Música, Teatro) do Theater Magdeburg.

Coreografou inúmeros ballets para a Escola de Ballet e para a Companhia do Theater Magdeburg, como Stabat Mater (Pergolesi), Klavierkonzert (Santoro), Dichterliebe (Schumann). Em 2004 foi convidada para dirigir e remontar, junto com Irene Schneider, a montagem do ballet O Lago dos Cisnes no Theater Magdeburg.

Tem participado como professora e solista do Seminário Internacional de Dança de Brasília (de 1991 a 2008). Entre seu repertório, destacam-se: Giselle (Giselle e Myrta), D.Quixote (Kitri e Mercedes), O Quebra-Nozes (Marie), A Bela Adormecida (Fada Lilás), Paquita; os grandes Pas de Deux do repertório internacional, assim como Pas de Deux de criadores de nossa época, como Uwe Scholz e MacMillan; e as obras contemporâneas (criações) Tangos, Effi Briest, Carmen, O Mandarin Maravilhoso, O Pássaro de Fogo, In Memoriam, Carmina Burana, Pulcinella, Os 3 Mosqueteiros, Os Beatles, Apassionato, Bolero, Les Enfants Terribles, entre outros, com coreografias de Irene Schneider, Joachim Gerster e Carlos Vilán.

Obteve em 1998 excepcional sucesso interpretando Alma, na estréia mundial da ópera Alma de Claudio Santoro, no II Festival de Manaus.
Indicada Cidadã do Ano 2002 de Magdeburg, pelo trabalho realizado na área da dança.

Foi fundadora, diretora e organizadora do Festival Internacional de Escolas de Dança, realizado de 2000 a 2004 na cidade de Magdeburg (Alemanha).
Coreografou em 2006 "Cartas de Mozart", produção com Lilian Barreto, para 1ª bailarina do Kirov Maya Dumchenko – CCBB Brasília e Sala Cecília Meireles Rio de Janeiro. Em 2007, o “2° ato Quebra-Nozes” para o encerramento do Seminário Internacional de Dança com OSTNCS, 2007 – “O Quebra-Nozes” versão completa a convite de Dalva Lazaroni, secretária de cultura de Duque de Caxias (Rio de Janeiro). Em 2008, “A Flauta Mágica” direção cênica da Ópera a convite do Maestro Silvio Barbato realizado pelo projeto SESC Sinfonia Brasília.

Maître de Ballet convidada no Brasil das companhias Cisne Negro Companhia de Dança, Companhia de Dança Deborah Colker, Ballet da Cidade de Niterói e do Ballet do Teatro Municipal Rio de Janeiro, onde foi, em 2007 e 2008, responsável pela remontagem de “O Lago dos Cisnes” na versão de Yelena Pankova e no exterior do English National Ballet School, Oper Leipzig, Oper Hannover, Badisches Staatstheater Karlsruhe, Hessisches Staatstheater Wiesbaden, Mainfranken Theater Würzburg, Theater Nordhausen.

Mônica Proença

Natural do Rio de Janeiro, estudou dança no Brasil e posteriormente nos Estados Unidos. Após seus estudos na San Francisco School of Arts, voltou ao Brasil dando início a sua carreira profissional. Trabalhou em várias companhias internacionais, como Ballet de Brasília (direção Gisèle Santoro), Deeply Rooted (direção Kevin Iega e Gary Abbot) e Don Lavy Dance Company (direção Samuel Don Lavy).

Participou de várias produções com coreógrafos de renome internacional, como Carlos Vilán (Espanha), Vera Timashova (Rússia), Irene Schneider (Alemanha), John Ottman (Canadá). e de produções como “Orfeu e Euridice”, “Jesus Christ Superstar”, “Giselle”, “O Lago dos Cisnes”.
Estabelecendo-se no Canadá, iniciou uma profícua colaboração com a Science Friction Productions (direção Shannon Moreno e Farley Johansson), que permanece.até os dias de hoje.

Algumas de suas coreografias foram agraciadas com prêmios no Canadá, França e Austrália, e dançadas pelo BallettAufTakt (Alemanha).

Anualmente participa do Seminário Internacional de Dança de Brasília – do qual foi bolsista e premiada - como professora, bailarina, jurada e coreógrafa.

Atualmente baseada em Vancouver (Canadá), desenvolve atividades de professora e coreógrafa de Ballett, Dança Moderna e Contemporânea com a paixão, a técnica elegante e o tempero brasileiro que são marcantes de sua personalidade artística.

Fernanda Fiuza

Fernanda é uma pessoa apaixonada pela arte. Desde muito nova se envolveu com música, teatro e dança. Tem a cabeça muito aberta, gosta do novo e do diferente.  Ousada, gosta de se arriscar em tudo que faz!

É dançarina e coreógrafa, participa de clipes, faz parte da companhia de dança de Rainhas Gays, como Wanessa e Lorena Simpson, e já esteve no palco com Beyoncé.

Participou de inúmeros Workshops no Brasil e no exterior com grandes nomes do cenário da Dança. Foi finalista do programa do SBT “Se ela dança eu danço” e atualmente dança e coreografa para Wanessa e Lorena Simpson.

Já trabalhou com muitos estilos: Ballet clássico, Jazz, Sapateado, Dança de Salão e até Dança do Ventre… Tem seu estilo. Tenta desenvolver algo seu, o que acaba sofrendo influência de tudo que já fez. Utiliza bastante as técnicas das danças urbanas e do street jazz. Esta desenvolvendo também um trabalho forte com dança no teatro (musical). Sempre que viaja para o exterior, além de no Brasil, divulga o seu trabalho através de Workshops que ministra.

Recentemente passou na audição (seletiva para elenco de 16 bailarinos) para trabalhar como contratada do Musical de Michael Jackson que fará tournée no Brasil e no exterior.

Renata Soares

Natural de Brasília, iniciou seus estudos de teatro ainda criança na Cia Teatral Néia e Nando, companhia voltada para o público infantil, da qual fez parte como atriz e bailarina até seus 18 anos.

Neste mesmo período, começou a fazer aulas de dança, como jazz, jazz contemporâneo e sapateado, e integrou a Sete Cia. De Dança, sob a direção de Patrícia Lamana, participando de festivais de dança por todo o Brasil.

Em 2008, ingressou na Universidade de Brasília para graduar-se em Artes Cênicas e na Escola de Teatro Musical de Brasília (ETMB), onde teve seu primeiro contato com aulas de música e de canto. Lá aprofundou seus estudos em Teoria Musical com a maestrina Michelle Fiuza além de ter sido aluna de piano popular do pianista e correpetidor Walter Amantéa.

Com a dançarina Fernanda Fiuza, estudou diferentes estilos de dança como Street Jazz, Vogue, Wacking, Hip Hop e House, integrando seu grupo Take Cia. De Performance. Chegou a ser professora de Street Jazz do Claude Debussy Instituto de Música e Dança. Também estudou técnica de balé clássico com Aleska Ferro.

Para aprimorar sua técnica vocal, estudou com professores de renome como Alírio Netto, Karol Castro e Rafael Villar.

Na ETMB, participou da produção de vários musicais como Fame, A Bela e a Fera, Um Homem Pra Chamar de Sir e Correndo Atrás, musical em que teve destaque como umas das personagens principais, Hellen Barreto. Também participou das montagens, Simplesmente Broadway, Fantastique, Bem-Vindo à Broadway e Vida Dura, Sim! Também em Brasília, com a Actus Produções, participou dos musicais Bom Dia, Baltimore!, uma livre adaptação do musical Hairspray, como Velma Von Tussle, e Rent – Sem Tempo a Perder, como a personagem Maureen Jhonson.

Bené Monteiro

Bené Monteiro Iniciou seus estudos no Instituto Claude Debussy em Brasília. Estreou no teatro musical brasileiro com “HAIRSPRAY”, dirigido por Miguel Falabella, interpretando o personagem Seaweed. Participou da parada Disney Momentos Mágicos, como cantor solista. Foi assistente de dança da coreógrafa Fernanda Fiuza no Instituto Claude Debussy e integrante do grupo Dinner Show também em Brasília.

Atuou brilhantemente no espetáculo “Era uma vez... Dentro da Mata” (Into The Woods), fazendo João (O Pé de Feijão) com um solo lindo, falando da Terra dos Gigantes.

Danilo Timm

Ator e cantor, Danilo Timm é natural de Brasília, onde começou sua trajetória estudando piano e integrando o Coro Infantil no Instituto Claude Debussy onde desde cedo se envolveu com a linguagem do teatro musical em diversas montagens. Começou oficialmente sua carreira de cantor aos quinze anos, passeando por vários estilos, mas sempre com o foco principal no jazz, numa fusão entre o pop e o soul. Ainda em Brasília, criou e dirigiu o grupo Dinner Show, grupo de cantores performáticos dos anos 70, 80 e 90. Foi integrante da banda “New Times” durante um ano e fez parte do espetáculo “The Drowsy Chaperone”, em São Paulo, de Charles Moeller e Claudio Botelho, recordista de indicações ao prêmio Shell. Participou dos Musicais “ Hair” e “O Despertar da Primavera”, substitui o ator Thiago Fragoso no musical “Xanadu” contracenando com a atriz Danielle Winits. Além de ser preparador vocal do elenco de “Xanadu”, Danilo era Stand in de Thiago no espetáculo.

Seu repertório hoje mistura clássicos americanos com música popular brasileira em arranjos contemporâneos, formalizando um estilo próprio que bebe em influências do jazz moderno de cantores como Jammie Cullum e Kurt Elling.

Deborah Bastos

Deborah Bastos trabalhou diretamente com grandes artistas, dentre eles Wilson Simonal, Jair Rodrigues, Maysa Matarazzo e com Elis Regina, orientando sua expressão corporal nos palcos. Coreografou para vários especiais da Rede Globo, para Ivan Lins e Cazuza no lançamento do Grupo Barão Vermelho. Atuou em filmes nacionais como bailarina e coreógrafa. Na televisão trabalhou com Daniel Filho e Mauricio Sherman. Dirigiu e apresentou o programa de televisão “Ritmo de Brotos” durante um ano. Trabalhou durante dois anos coreografando para espetáculos no Canecão, RJ. Trabalhou com Tatiana Leskova, coreografando para sua companhia “Sociality” e para a Cia Dança Rio nas montagens dos seus musicais. Foram 30 anos trabalhando no curso profissionalizante do Centro de Dança Rio, 10 anos na Escola de Dança Maria Olenewa, Professora e uma das responsáveis pela projeção de um dos primeiros bailarinos do Royal Ballet, Thiago Soares.

Convidada para coreografar para o EPCOT Center(Disney World) e para a comissão de frente das escolas de samba Portela e Mangueira.Detentora do troféu transitório do Festival de Dança de Joinville como melhor coreógrafa e do prêmio de melhor coreógrafa Latino Americano no Concurso do Conselho Brasileiro de Dança. Figurinista de grandes espetáculos produzidos pelo Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

No Instituto Claude Debussy atuou como coreógrafa, figurinista e diretora cênica de Musicais como “Uma Aventura na Neve” e “Fame”.

Fernanda Cascardo

Iniciou seus estudos de dança aos 4 anos de idade no Instituto Claude Debussy, inicialmente no curso de ballet clássico, posteriormente sapateado, jazz, hip hop e street jazz, tendo participado de espetáculos anuais no Teatro Nacional Cláudio Santoro, em Brasília.

Aos 7 anos iniciou seus estudos de música, participando de coros e espetáculos musicais, dirigidos pelo maestro Vladimir Fiúza. A partir de 2007 foi admitida no curso de Teatro Musical também no Instituto Claude Debussy, onde passou a ter aulas regulares de canto com vários professores, entre eles Alírio Netto, Michelle Fiúza, Danilo Timm, Karol Castro, Rafael Villar e Augusto Mollmann. Participou de várias adaptações livres de espetáculos musicais como “High School Musical”, “Fame”, “A Bela e a Fera”, “Cats” e highlights da Broadway.

Realizou diversos cursos, workshops e coachings voltados para teatro, dança e canto, desenvolvendo suas habilidades em cada uma dessas áreas. Em 2008, frequentou aulas no Broadway Dance Center – BDC, em Nova York, nas estéticas de jazz, street jazz, theater dance e singing performance. No Brasil, participou de workshops com os professores Marconi Araújo, TitussBurgess, Stephen Schwartz e com os produtores/diretores Claudio Botelho e Charles Möeller.

Atualmente reside na cidade de São Paulo trabalhando como assistente do professor de canto Rafael Villar, realizando as funções de assistente de direção musical, preparadora vocal e professora de canto.

Junior O'hara

Formado em Ballet Clássico pela Escola de Dança do INEARTE, atualmente Maria Olenewa, RJ. Cursou jazz com Vilma Vernon, Marli Tavares e Carlota Portela. Dança moderna estudou com Nina Verginina e sapateado com Luiz Baronini. Atuou como bailarino em clipes do cantor Djavan, em filmes nacionais e em novelas. Premiado em festivais como o de Joenville, Festival do Triângulo, Mostra para novos coreógrafos e é detentor de Prêmio no Youth American Grand Prix (NY). Diretor e coreógrafo da Cia de Dança Grito. Idealizador, organizador e diretor do Taguatinga Dança, importante mostra de dança realizada anualmente em Brasília.

Kaio Borges

Kaio Borges é ator, bailarino e cantor. Começou sua carreira em Brasília na Cia Teatral Néia e Nando. Em 1999, participou da montagem do Musical da Broadway Jesus Christ Superstar com direção do maestro Marconi Araújo. Fez cursos de teatro, TV e cinema com a diretora e atriz Luciana Martuchelli e o ator e diretor Deto Montenegro.

Além de aluno do curso de Teatro Musical do Instituto Claude Debussy, lecionou sapateado para a turma infantojuvenil.

Luíza Lapa

Do elenco de “Meninos e Meninas”, espetáculo que apresentou ao público carioca a atriz brasiliense Luíza Lapa e que também fez parte do elenco fixo da produção de “Chacrinha – O Musical.

A jovem de 24 anos também é conhecida por webséries como “Positivos” e “R.G. – A Revolução”. No Youtube, é possível vê-la cantando em diversos vídeos. Antes de se mudar para o Rio de Janeiro, Luíza também fazia shows e musicais teatrais em Brasília. Estudou teatro musical no Instituto Claude Debussy, em Brasília, onde desde cedo revelou o seu talento, especialmente ao protagonizar a montagem acadêmica “A Bela e a Fera”.

Mateus Riveiro

Mateus começou a estudar teatro aos 10 anos de idade, em Fortaleza. Aos 14 anos, ele se mudou para Brasília, matriculou-se no curso de teatro musical do Instituto Claude Debussy e passou a se dedicar aos musicais. Fez aulas de sapateado, jazz, hip hop, teatro e canto.

Por conta da sua dedicação e talento, Mateus conquistou Claudia Raia. A atriz não se cansa em repetir que prometeu transformá-lo em “o melhor ator de musical deste país”. Mateus precisou ser emancipado para poder se mudar para São Paulo e trabalhar no musical Cabaret, pois, ainda tinha 17 anos quando o espetáculo estreou.

Em seguida, fez parte da temporada paulista de musicais: “O Mágico de Oz” a convite da dupla Charles Muller e Cláudio Botelho, foi dirigido por José Possi Neto em “Crazy for you”, por Anducha Waddington em “Chacrinha - O Musical”, por Miguel Falabella em “Mulheres a Beira de um Ataque de Nervos” e por Frederico Reder em “60 - Doc Musical”.

Michelle Fiuza

Direção Musical, correpetição e Arranjos

Michelle Fiuza Lima é natural de Brasília, iniciou seus estudos de música aos 8 anos de idade como aluna do Instituto Claude Debussy, aos 14 anos de idade formou-se em órgão Eletrônico e teoria musical. No ano seguinte passou a lecionar, ingressou no coro do instituto e atuar como pianista e arranjadora.

Membro fundadora da Orquestra de Órgãos e Teclados de Brasília, formada em 1994 pelo Instituto Claude Debussy, se apresentou nas principais salas da cidade como organista em produções de musicais como: O Fantasma da Ópera, A Bela e a Fera, Os Miseráveis, Evita e A Noviça Rebelde. Além de um vasto repertório erudito para coro e orquestra.

Ingressou no curso de Bacharelado em Regência pela Universidade de Brasília (UnB) na classe do Prof. Dr. David Junker, realizando um papel de destaque como regente assistente e titular das turmas de canto-coral, Coro Sinfônico Comunitário da UnB e Coro InfantoJuvenil do Coro Sinfônico Comunitário. Em 2004 foi convidada pelo Maestro Sílvio Barbato para estagiar junto à Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro.

Foi pianista acompanhadora da cantora mexicana Pia Aún, em visita ao Brasil, em um concerto solo com famosas canções de musicais da Broadway na Sala Martins Penna do Teatro Nacional. No mesmo ano, a convite do governo da cidade de Mazatlán, voltou ao México para participar do Festival Cultural de Mazatlán como pianista e arranjadora em dois concertos.

Foi convidada pelo cantor Leonardo Neiva para escrever os arranjos para orquestra de um Highlights do musical “Jesus Christ Superstar”, que foi apresentado no Curso de Verão da Escola de Música de Brasília e atuar como correpetidora convidada na apresentação da classe de canto para musicais.

Regeu como convidada para a Orquestra Filarmônica de Brasília um dos concertos da série “Popularizando a Sinfonia” na Sala Villa Lobos do TNCS.

Rafael Oliveira

Em 1999, Rafael Oliveira iniciou sua carreira teatral em Brasília com a Oficina dos Menestréis, dirigido por Deto Montegro, atuando e trabalhando no backstage dos musicais No mesmo ano ingressou na Néia e Nando Cia Teatral, onde, além de atuar, também trabalhou como escritor, diretor e coreógrafo de 1999 a 2007 em mais de 70 produções de teatro infantil e adulto.

Participou também como ensemble nos musicais Jesus Christ Superstar (1999) sob a regência do maestro Marconi Araújo e Grease, nos tempos da Brilhantina (2000) dirigido por Nando Villardo, onde interpretou o papel de Eugene.

Em 2007, fundou no Instituto Claude Debussy, juntamente com a maestrina Michelle Fiuza e a bailarina Fernanda Fiuza, a ETMB, Escola de Teatro Musical de Brasília, onde atuou como diretor da cadeira de teatro e professor de interpretação, dirigindo mais de 10 espetáculos musicais.

Em 2010 estreou Um Homem pra Chamar de Sir, um musical de sua autoria com canções de Elton John, onde também foi o diretor cênico e iluminador.

Em 2011 estreou seu segundo musical: Correndo Atrás e criou o site Musical em Bom Português, com versões em português, monólogos, sinopses de musicais e textos teóricos, auxiliando e contribuindo muito com os diretores e estudantes de teatro musical.

Em 2012 foi convidado para fazer parte da equipe de redatores do site Mr. Zieg, assumindo o pseudônimo de Sir Erik

Rita Barreto

Rita Barretto, iniciou seus estudos de ballet aos dez anos, com formação acadêmica pela “Royal Academy of Dancing of London” em Brasília. De 1984 a 1989 pertenceu ao Corpo de Baile do Teatro Guaíra em Curitiba, trabalhando com coreógrafos nacionais e  internacionais, como Carlos Trincheiras, Rodrigo Pederneiras, Renato Magalhães,  Milko Sparemblek, Vasco Wellemkamp, Bernd Schindowski, entre outros. Em 1989 recebeu o convite para ingressar, como bailarina solista, no Ballet Schindowski, em Gelsenkirchen, na Alemanha, onde permaneceu até final de 1997. Foi professora e coreógrafa do Instituto Claude Debussy atendendo as formandas dos níveis médio e técnico. Como coreógrafa, destacam-se as montagens: Requién e Incompatibilidade (Oswaldo Montenegro). Como diretora cênica destacam-se as montagens de “Alice” “Petrouschka” e “Cinderella”.

Conheça os cursos de Música